domingo, 17 de janeiro de 2010

O APOCALIPSE SINTETIZADO

Nesta tragédia de proporções apocalípticas concentrada num pequeno ponto do Planeta chamado Haiti, com tantas crianças atingidas por escombros, pela fome e pela perda de pais, irmãos, outros parentes, amigos e suas casas, a primeira pergunta que me veio à cabeça foi a mesma de anos atrás quando soube do estrago que o tsunami fez do outro lado do mundo: onde estava Deus?
Tenho noção do que provocaria se esta pergunta inoportuna começasse a correr pelas ruas haitianas nesse momento: a desesperança completa impediria a ajuda humanitária e a reconstrução do país. As conseqüências seriam ainda mais catastróficas, e não só para o Haiti.
Particularmente, sempre questionei a existência de um onipresente, onisciente e onipotente ser ao mesmo tempo misericordioso e punidor. Porém, a idéia de Deus - usada e abusada por muitos para faturar e matar em seu nome - ainda refreia os mais sórdidos instintos do Homem, impedindo que a completa desilusão tome conta dos corações e mentes e espalhe pelo mundo uma devastação inimaginável de sevícias, roubos, cinismo, escárnio, estupros, promiscuidades, decapitações, linchamentos, torturas...
A ilusão ainda salva o Homem de si mesmo. Pelo menos enquanto o ser humano não se transformar na potência que verdadeiramente é, enquanto não tiver a força de caráter suficiente para encarar-se de frente e tornar-se melhor.
Certos questionamentos podem cair como uma bomba de destruição de massas na imagem de uma certeza. E as certezas tendem ao extremismo, ao absolutismo. O mesmo que fez aquele pequeno país do Caribe e tantos outros afundarem na miséria, na ignorância, no escárnio cínico de gente (se é que se pode chamá-los assim) que anuncia perdão aos outros pelos seus próprios crimes.
As imagens de haitianos andando de um lado para o outro sem rumo, desnorteados e se atracando feito bichos para saquear comida e água são mais chocantes do que os prédios destruídos e até - se me permitem um certo distanciamento um tanto quanto frio - dos corpos estendidos pelas ruas. Aquelas imagens me dão a exata noção do que se transformaria o mundo se todos os homens que não vêem razão para a vida sem o norte de Deus, se sentissem abandonados por Ele.
"Todo imaginário é real. Todo real é imaginário" (Juremir Machado da Silva)
Obs.: só se fala em Porto Príncipe. O que estará acontecendo nas outras cidades do Haiti?

Vídeo: "San Vicente", Milton Nascimento. Onde "as horas não se contavam", "o que era negro anoiteceu" e onde se "espera na fila imensa" também poderia ser em Porto Princípe, que é onde o coração americano hoje está.
Veja também: Tudo o que foi publicado em janeiro de 2009.
Profano conquista corações
O Espírito dos Insensatos
O Papa do Ateísmo