sábado, 2 de abril de 2016

DEMOCRACIA: FÁCIL NO DISCURSO, DIFÍCIL NA PRÁTICA

Nestes conturbados dias de fla-flu político, tenho me deparado com inúmeros casos de teoria a anos-luz de distância da prática. Muita gente que berra, esperneia e até mesmo alguns que posam com discursos orais ou escritos muito bonitos na defesa da democracia desafinam feio na hora de exercê-la no seu dia-a -dia. Não, não é fácil ter a prática democrática em casa, no prédio, nas ruas, no trabalho, ainda mais num país cuja História está marcada por dominação ditatorial no governo central e nos seus mais escondidos recantos. O coronelismo ainda está vivo em muitas partes deste Brasil, e não só no interior rural.
O impulso de impor vontades e interesses prevalece nos grandes e nos pequenos poderes. Nossa tradição é autoritária e paternalista e há muitos que se apegam a esta tradição e bradam como se fosse um belíssimo hino. Vejo defensores da democracia só para aqueles que concordam com eles, nunca para os que discordam. Grandes veículos de comunicação - e não só no Brasil - cometeram crimes em defesa de uma liberdade de expressão que só fosse permitida a eles próprios.
A manifestação dos taxistas ontem aqui no Rio é um grande exemplo de que não só as piores práticas dos nossos três poderes desrespeitam o direito alheio. Para defender suas razões, seus direitos, atropela-se os dos outros, sem qualquer pudor. E ai de quem tentar impedir. A antipatia se generalizou na população, mas antes os manifestantes prejudicaram um sem-número de pessoas, das mais diversas formas. E não me digam que não tinham noção disso, porque não foi a primeira, nem a segunda, nem a terceira vez. Se tinham alguma razão nas suas reivindicações, e creio que no geral tinham mesmo, perderam todas elas com mais este ato irresponsável, que nada teve de democrático.
Antes de defender com unhas e dentes a democracia, é preciso praticá-la. Ainda mais num país em que tantos só querem mandar, por poder, status ou dinheiro, e outros muitos só querem obedecer, para não ter de pensar, argumentar, estudar ou por medo e arraigada submissão. De minha parte, continuarei defendendo a democracia na prática. Porém, se me virem abraçado a qualquer governo, podem separar que é briga.
 Veja também: