domingo, 10 de outubro de 2010

ÂNGELO, UMA VÍTIMA DA CRUELDADE EM CAMPO

Engana-se muito quem imagina ser o futebol atual mais violento do que "antigamente". Sempre houve em campos jogadores maldosos, cruéis, a caçar os mais talentosos com bordoadas e o mais variado repertório de violência. Já houve nos gramados brasileiros (mais esburacados antes do que hoje, muito mais) versões tão ou mais maldosas que Felipe Mello e esse holandês De Jong. Ângelo, meia do Atlético Mineiro na década de 70, bem poderia dizer se ainda vivo fosse.
O lance de que foi vítima, na final do Campeonato Brasileiro de 1977 entre Atlético e São Paulo, é uma das mais tristes lembranças ds meus primeiros anos de torcedor de futebol. Junta-se a notícias ainda mais dolorosas, como as mortes do ponta-direita Roberto Batata, do Cruzeiro, e do meia Geraldo, do Flamengo, ambos falecidos no auge de suas promissoras carreiras.
Pesquisei muito e consegui achar no youtube as imagens nada belas da entrada violentíssima de Neca no joelho de Ângelo (a título de comparação, a perna do atleticano fez o mesmo movimento para trás que a de Zico na entrada de Marcio Nunes, do Bangu, em 1985) e depois, mais cruel ainda, o pisão do também falecido Chicão na perna do meia, que engatinhava para a lateral, desnorteado de dor, à procura de ajuda médica.
O árbitro da partida era Arnaldo Cezar Coelho, que só deu um cartão amarelo no lance. Hoje como comentarista de arbitragem tenho certeza que, vendo lance semelhante acontecer, criticaria duramente a atitude do árbitro. Já o pisão de Chicão ele realmente não viu, pois no mesmo momento estava de costas mostrando o cartão para Neca, que merecia vermelho e uma pesada suspensão.
Mais inacreditável é saber que meses depois (a decisão foi só em março de 1978), o volante são-paulino ganharia como prêmio a convocação para a Copa da Argentina por Claudio Coutinho, que preferiu deixar no Brasil simplesmente Paulo Roberto Falcão. Além disso, em 1980, o mesmo Atlético Mineiro que foi vítima do volante são-paulino o contratou.
Para quem quiser ver as imagens até para discordar de mim, dizer que estou exagerando, tudo aconteceu no finzinho da prorrogação e está no minuto 04'55 deste vídeo abaixo. E quem se interessar em saber mais detalhes sobre o episódio e a carreira do talentoso camisa 8 do Galo é só clicar aqui (site WebGalo).


Obs.: as fotos foram retiradas do site WebGalo.
Veja também: Reinaldo, o Rei do Galo Mineiro
Beckenbauer, a Elegância do "Kaiser"
Os Maiores Jogos de Todos os Tempos