sexta-feira, 4 de junho de 2010

BECKENBAUER, A ELEGÂNCIA DO "KAISER"


No futebol, elegância tem um sinônimo: Franz Beckenbauer. Tanto no porte de um imperador enquanto desfilava seu imenso talento e liderança dentro dos campos, quanto depois como técnico e, atualmente, como dirigente. Beckenbauer foi um dos raros jogadores de futebol que mostraram na prática que o belo é o simples.
Diz-se dos grandes jogadores quando atingem a maturidade que correm menos não porque perderam a vitalidade, mas porque já conhecem os atalhos do campo. Mas para o “Kaiser” parece que os atalhos foram traçados por ele mesmo desde que começou. Um dos caminhos que criou foi o do líbero que avança ao meio-de-campo para a armação das jogadas ofensivas e até mesmo ao ataque quando o time tem a posse de bola. Pouquíssimos líberos souberam jogar como ele – talvez só o italiano Franco Baresi tenha chegado perto do mestre. Antes de Beckenbauer, os líberos jogavam apenas na sobra, como o último homem antes do goleiro.
O mundo começou a admirar o talento deste alemão na Copa do Mundo de 1966, na Inglaterra, quando ainda jovem, com apenas 20 anos de idade, comandou a equipe que terminaria com o vice-campeonato numa polêmica final com os donos da casa. Um zagueiro diferente, que poucas faltas cometia e que ainda sabia sair com a bola com uma habilidade incomum para os jogadores da posição. Difícil imaginar que ele tenha dado algum dia um chutão. E numa das imagens mais marcantes da história das Copas do Mundo deu uma aula de amadorismo ao jogar todo enfaixado por causa de uma luxação no ombro esquerdo na extraordinária semifinal da Copa de 70 contra a Itália. Os italianos venceram por 4 a 3 na prorrogação, mas de Beckenbauer jamais se podia dizer que saíra derrotado de campo. A Alemanha terminaria aquela Copa no honroso terceiro lugar.
Na última Copa que disputou, o “Kaiser” finalmente conseguiu o título tão merecido. A Alemanha, jogando em casa, conseguiu deixar o carrossel holandês desengonçado. Com Vogts acompanhando a sombra de Cruyff por todo o campo, Beckenbauer pôde ajudar seu time a vencer a final de 1974 com os 2 a 1 e finalmente levantar a taça na sua Munique natal. Doze anos depois, ele voltaria ao México para ser vice-campeão mundial, como técnico, cargo que assumira dois anos antes. Ele e sua seleção foram derrotados na final pelo gênio argentino de Maradona (3 a 2), mas em 1990, na Itália, também em final contra a Argentina, Beckenbauer igualou-se a Zagallo num feito: foi campeão mundial também como técnico. Apenas o brasileiro tetracampeão (duas vezes como jogador, uma como técnico e outra como coordenador-técnico) e o alemão conseguiram ser campeões mundiais nessas duas funções.
Beckenbauer, eleito o melhor de sua posição nas três copas que jogou, estreou no time principal do Bayern de Munique com 17 anos e na seleção alemã com 19. No clube que posteriormente presidiu jogou por 13 anos, conquistando entre vários títulos o tricampeonato da Copa dos Campeões da Europa, em 1974/75/76, conquistando título intercontinental de 76 na final contra o Cruzeiro. E foi eleito o melhor jogador europeu nas temporadas de 1972 e 1976. De 1977 a 1980 jogou com Pelé, que o considerava o melhor jogador europeu de todos os tempos, na equipe de astros do New York Cosmos. Aos 35 anos ainda seria campeão alemão pelo Hamburgo, em 1982, e só não foi à Copa da Espanha porque estava machucado. Além de presidente de honra do Bayern, Beckenbauer presidiu brilhantemente o comitê organizador da Copa de 2006. O próximo passo do Kaiser pode ser a presidência da Fifa. O futebol agradeceria, muito.

FICHA DO JOGADOR
Nome: Franz Beckenbauer
Nascimento: 11/09/1945, em Munique (Alemanha)
Clubes: Bayern de Munique (de 1964 a 1977), New York Cosmos (de 1977 a 1980) e Hamburgo (de 1980 a 1982)
Títulos em clubes: campeão alemão pelo Bayern de Munique em 1969, 1972, 1973 e 1974 e pelo Hamburgo em 1982; campeão da Copa da Alemanha em 1966, 1967, 1969 e 1971, todos pelo Bayern; campeão dos Estados Unidos em 1977, 1978 e 1980, todos pelo New York Cosmos; e campeão da Copa dos Campeões da Europa em 1974, 1975 e 1976; campeão da Recopa Européia em 1967; e campeão do Mundial Interclubes de 1976, todos pelo Bayern.
Títulos pela seleção alemã: campeão da Eurocopa em 1972; e da Copa do Mundo de 1974; vice-campeão da Copa do Mundo de 1966.
Jogos pela seleção: 103 (50 como capitão), de 1965 a 1977
Gols pela seleção: 13 (5 em Copas do Mundo)

Ilustração retirada do site http://www.glasergrafik.de/Archiv.html. Gostaria de dar o crédito, mas não descobri o nome do autor da charge.