segunda-feira, 8 de novembro de 2010

ANTULIO MADUREIRA, MESTRE DE OBRAS-PRIMAS

Este texto abaixo escrevi em 18 de outubro de 2000 e foi publicado na coluna que tinha semanalmente no 2º Caderno do jornal "O Fluminense", de Niterói. Recentemente achei no youtube um vídeo editado, postado pelo próprio Antulio Madureira, em que aparecem cenas da sua participação no Programa do Jô e em outros. O vídeo está abaixo do texto.

Basta estar vivo para se deparar com uma surpresa a cada esquina. Como dizia Auguste Rodin, tudo é movimento, até um corpo morto, em seu processo de decomposição, produz movimento. Pois bem, e o que isso tem a ver com este artigo, você deve estar se perguntando? Respondo, respondo, calma. É o seguinte: o artigo desta semana já estava pronto e entregue, mas teve de ser adiado para a próxima semana por causa de uma pessoa, um artista, um músico que transforma sucatas e material de construção em instrumentos musicais e tira deles sons encantados, que em outros tempos fariam até defunto se levantar arrepiado de emoção. Não, não falo de Hermeto Pascoal, embora tenha uma profunda admiração por ele. Falo de Antulio Madureira. Quem? Pois é, infelizmente pouquíssimas pessoas deste país já ouviram falar desse maestro e vou falar dele hoje, porque, para minha surpresa ele se apresentou no “Programa do Jô” de terça-feira e, como não poderia deixar de ser, fez babar a platéia, os músicos do sexteto, o apresentador e o telespectador.

Estava para dormir depois de assistir à entrevista de Marília Pera no programa da outra Marília, a Gabi, quando resolvi dar uma olhada no Jô só para saber quem eram os entrevistados, sem grandes esperanças. Pois não é que logo o primeiro entrevistado foi o pernambucano Antulio Madureira, de quem ouvi falar pela primeira vez há uns três anos, quando se apresentou em um festival de jazz no Rio. Enquanto a música jazia com pseudo-astros internacionais, o que me chamava a atenção era o sobrenome Madureira, já que conhecia de discos Antônio, o maestro do Quinteto Armorial que mais tarde vim saber é irmão de Antulio. Para quem ainda não sabe, informo agora aos meus cinco leitores, o Quinteto Armorial foi um conjunto criado por Ariano Suassuna no início da década de 70 que buscava pesquisar e recriar músicas antigas de tradição ibérica e brasileira (fazendo uma ponte entre a música árabe e a nordestina do Brasil) e de onde surgiu Antonio Nóbrega, multiartista que somente agora está obtendo alguma fama. Portanto fiquei curioso para ouvir Antulio Madureira quando soube que ele inventava instrumentos, o que só ocorreu no ano passado quando passei a ter em mãos e ouvidos o magistral CD “Teatro Instrumental”, que dá nome ao seu espetáculo atual.

Fazendo instrumentos e tirando música de latas, fios, conduítes, garrafas, cabaças, bambus, arames, serrote, entre outros, Antulio é um mestre de obras-primas. Um maestro ignorado pela mídia, tão ocupada com os “tchans” da vida. E além do mais, ainda faz as vezes de ator e dançarino. Na parte musical ele não apresentou no programa, pela falta de tempo, nem um quinto do que é capaz. Mas foi o suficiente para arrebatar a todos. Se no Jô ele tocou no serrote “Ave Maria”, de Schubert, no CD ele toca a ária das Bachianas número 5, de Villa-Lobos. Antulio está em São Paulo, mas bem poderia dar uma passada pelo Rio (está aí uma grande sugestão para o Teatro Municipal de Niterói!). Parodiando Rodin, desse músico fantástico pode-se dizer o seguinte: tudo é música, até matéria aparentemente morta, em processo de composição, produz música.

Veja também:
Há 40 anos, o Adeus de Jimi Hendrix
Nina Simone, a Sacerdotisa do Jazz
Villa-Lobos, o Pai da MPB
Entrevista: Nelson Pereira dos Santos
Monólogos Os Sopros Mágicos de Carlos Malta