sábado, 4 de dezembro de 2010

HOMENAGEM AO TEATRO

Quando ficamos doentes também nos tornamos mais emotivos. Já dava este dia como perdido, quase todo ele dormindo, impossibilitado de ir para o trabalho, quando à noite, já um pouco melhor, resolvi pôr no aparelho de DVD “Tempos de Paz”, um filme adaptado da peça “Novas Diretrizes em Tempos de Paz”, escrito por Bosco Brasil. É uma grande e emocionante homenagem ao teatro e a muitos artistas e cientistas que “a guerra tornou brasileiros”.
Como no texto de Brasil, em que as memórias de Segismundo (Ramos) e Clausewitz (Stulbach) são o centro da história, e o teatro, o elo que acabará os unindo, muitas lembranças me vieram. Abaixo, quando falo do filme “A Suprema Felicidade”, critico Stulbach, afirmando que ele já havia feito trabalhos bem melhores. E em “Tempos de Paz”, ele está magnífico e me comoveu muito, especialmente com seus gestos (os gestos do ator dentro do ator) em sua interpretação final. Um grande momento.
Mas, como dizia, talvez por estar mais emotivo neste dia quase perdido, muito pelos belos trabalhos não só dos dois atores principais, mas também do diretor do filme, Daniel Filho, recordei-me de quem me abriu as portas do teatro (tanto como espectador, como operador de som e autor) e como fui conhecendo textos, encenações, atores, diretores, figurinistas, cenógrafos, iluminadores... E como nasce uma peça, seu desenvolvimento, avanços e recuos, acréscimos e cortes, até ficar pronta para ser assistida pelo público.
Foi por intermédio de Cristine Cid, minha primeira mulher, mãe de meus três filhos, que conheci e me apaixonei pelo teatro. Uma das lembranças mais ternas que tenho dos meus primeiros contatos com aquele mundo até então desconhecido para mim é de quando eu a ajudava a passar os textos que estava encenando, fosse na faculdade ou nos cursos que fez.
Uma peça da qual tenho especial lembrança é “Um Bonde Chamado Desejo”, de Tennessee Williams, eu fazendo Stanley para que ela pudesse decorar o texto de sua Blanche Dubois. Foram muitos outros, textos de Nelson Rodrigues (“Vestido de Noiva”), Plínio Marcos (“Dois Perdidos Numa Noite Suja”), Federico García Lorca (“A Casa de Bernarda Alba”)...
Cristine, além de me abrir as portas do teatro, ainda teve a coragem de levar aos palcos a minha peça “Sentença de Vida”, que escrevi para ela atuar. Não foi possível, Denize Nichols fez o papel do monólogo, mas como diretora e produtora me deu este último grande presente antes de partir, há sete anos. Muito obrigado por tudo, o teatro pra mim é você.
Veja também:
O Teatro e o Futebol
O Anjo Grave