segunda-feira, 9 de março de 2015

ENTRESSAFRA

Nada pior para um escritor do que o período de seca. Ainda mais quando se alonga. Mesmo que idéias não faltem, elas teimam em não se transformar em palavras, frases, versos, ficam flutuando como nuvens brancas escondendo o sol sem ser sinal de chuva, se remexem dentro da cabeça, do corpo, ainda em gestação, sem estar no tempo de ganhar vida plena, esperando o momento certo de descer, fluir, nascer. Há muitos anos parei de me sentar em frente a uma folha em branco com vontade de escrever e lançando no papel (naquela época escrevia com caneta ou à máquina) o que me viesse à cabeça. Quase sempre saía sem verdade, superficial, sem verve. Por isso, passei a respeitar meu tempo. Mesmo assim é uma enorme agonia passar por essa entressafra.



Vídeo: "Amor de índio" (Beto Guedes/Ronaldo Bastos), com beto Guedes
Veja também:
O escrever
Manifesto de resistência
Mãe exalta o amor em "O filho de mil homens"
Conexões
A grandiosidade de Victor Hugo