terça-feira, 28 de março de 2017

ALGUNS JOGOS QUE FAÇO QUESTÃO DE RECORDAR 2

Quem acompanha este blog, especialmente aqueles que já leram postagens minhas sobre futebol, sabem bem que sou torcedor do Flamengo. E já deve ter percebido que sou da geração que acompanhou de perto a formação e todas as conquistas do time mais vitorioso da História do clube rubro-negro. Por isso é fácil deduzir porque sou tão exigente e também que tive muito mais alegrias do que tristezas nos meus tempos de arquibancada de Maracanã, que durou de 1974 a 1989 (a partir de 1990 comecei a trabalhar como jornalista e passei cada vez mais raramente a freqüentar o Maraca como torcedor. Por outro lado conheci muito mais estádios do Rio do que antes).

Pois bem, feitas as explicações em nariz de cera - para desespero dos jornalistas brasileiros objetivamente corretos -, gostaria só de acrescentar que a quantidade de jogos espetaculares a que assisti, especialmente aqueles que resultaram na conquista de títulos, são ainda motivo de lembranças maravilhosas para mim. Saí muitas vezes feliz, algumas em estado de êxtase, com o que acabara de ver no Maracanã. Porém, orgulho, orgulho mesmo eu sinto de recordar um jogo que nada valia para o Flamengo, mas no qual ele demonstrou uma dignidade tão grande que, pelo que se tem visto ultimamente, seria até ofensiva para quem hoje já está até habituado a torcer contra seu próprio clube do coração só para prejudicar um rival. Falo de Flamengo 2 x 0 Bangu, último jogo do triangular final do Campeonato Carioca de 1983.

Voltemos ao tempo em que o Campeonato Estadual do Rio de Janeiro tinha grande valor, pois desfilava em seus campos alguns dos melhores jogadores do mundo e, portanto, era dificílimo de se conquistar. Além dos quatro grandes tradicionais, Bangu e América tinham equipes muito boas, tanto que chegaram a algumas finais. E vencer, por exemplo, Americano, Volta Redonda, Olaria e Campo Grande em seus domínios, não era tarefa fácil. Assim, os títulos estaduais eram comemorados pela torcida campeã com muito mais festa do que hoje em dia. E com muito mais gente no Maracanã e nas ruas também.

Feito mais um parêntese, vamos às explicações para o motivo que me faz lembrar até hoje daquele jogo exemplar, embora quase não se fale nele. Na primeira partida do triangular, Fluminense e Bangu empataram em 1 a 1. A segunda foi o Fla-Flu  que começou a consagrar Assis como ídolo tricolor. No último minuto daquele jogo, logo após o árbitro Arnaldo Cezar Coelho ter apitado um impedimento inexistente de Adílio, que partira do campo rubro-negro completamente só em direção ao gol tricolor, o camisa 10 do Fluminense marcou o gol da vitória que eliminou qualquer chance rubro-negra de conquistar o título e colocou o Tricolor em boas condições de ganhá-lo.

O Flamengo foi então para a última partida, contra o Bangu, sem qualquer pretensão, a não ser defender a camisa rubro-negra e a lisura esportiva, algo tão fora de moda nos últimos sei lá quantos anos. E mesmo abatido pelas circunstâncias da derrota para o rival e a conseqüente desclassificação, a equipe do Fla e uma parte pequena, mas não desprezível, de sua torcida foram ao Maracanã com força para derrotar o bom time do Bangu, que já havia goleado o mesmo adversário naquela competição por sonoros 6 a 2. O time de Moça Bonita precisava vencer para forçar um jogo-extra com o Fluminense ou até mesmo ser o campeão (não me recordo se o regulamento previa desempate no saldo de gols, caso dois times terminassem com o mesmo número de pontos em primeiro lugar).

Lembro de ter ouvido o jogo num rádio de pilha de algum amigo tricolor na rua Araxá, no Grajaú, torcendo para que o meu time vencesse e afastasse qualquer suspeita de que faria corpo mole. E assim foi feito: com um gol de Adílio, logo no início, e outro de Tita, em belíssima cobrança de falta, no segundo tempo, o Flamengo venceu o Bangu por 2 a 0, resultado que deu ao Fluminense o primeiro título de seu último tricampeonato estadual. Claro que, em outra situação (como em 1985), eu iria preferir o Bangu campeão, em vez do Flu, mas as circunstâncias eram outras e, mesmo triste, já naquele dia senti muito orgulho do que aqueles rapazes rubro-negros fizeram.

É só ver e ouvir o vídeo abaixo para perceber que houve muita vibração em campo e nas arquibancadas. Enquanto isso, nas cadeiras especiais, os jogadores, membros da comissão técnica e dirigentes tricolores puderam comemorar a conquista, valorizada ao máximo pela digna atitude do Flamengo. 

 

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 2 x 0 BANGU
Local: Maracanã (Rio de Janeiro);
Data: 14 de dezembro de 1983
Juiz: José Roberto Wright;
Renda: Cr$ 16 902 600.00;
Público: 12.872;
Gols: Adílio 3 do 1.° e Tita 27 do 2.°;
Cartão amarelo: Marinho. Mococa e Edmar
Flamengo: Raul. Leandro (Heitor). Marinho. Guto e Júnior; Andrade. Cléo (Vítor) e Tita: Lúcio. Edmar e Adílio. Técnico: Cláudio Garcia.
Bangu: Tião (Júlio Galvão). Gilson Paulino, Tecão. Fernandes e Tonho: Mococa, Arthurzinho e Mário; Marinho, Fernando Macaé (Edvã) e Ado. Técnico: Moisés.

Veja também:
Futebol-Arte: os maiores jogos de todos os tempos 11
Adeus, Maracanã
Sempre um bom jogo para se recordar
Alguns jogos que faço questão de recordar