quinta-feira, 19 de maio de 2011

BELEZA E CAOS: ARTE EM TODA PARTE

Diz-se dos artistas de um modo geral e dos poetas especificamente que eles têm uma proximidade muito grande com assuntos que dizem respeito ao divino, que enxergam o invisível, o abstrato, a alma das matérias. Disse o americano Ezra Pound, com toda autoridade que lhe é conferida pela sua obra, que o poeta é a antena da raça. Muitas poesias e obras literárias anteciparam acontecimentos, ou revelaram algo que ninguém – ou quase ninguém - podia ou conseguia enxergar.
A beleza e também o horrendo – por que não? – estão à nossa volta o tempo inteiro. Talvez seja melhor dizer a ordem natural e o caos, que tanto podem produzir o belo como o horror. Depende de como se veja. Estão em toda parte, concreta e abstratamente, talvez em maior quantidade e intensidade no mundo em que olhos nus não alcançam.
A Física já se aproximou muito da arte e da espiritualidade como já nos mostrou Fritjof Capra. Não existe divisão, departamentos, seções, classificações na natureza. Tudo é um todo. Quem divide, departamentaliza, secciona e classifica é o homem, que facilita seu entendimento, mas se esquece que uma parte não vive sem a outra, que uma interfere na outra, mesmo sem conexões plausíveis, proximidades. É como aquilo que um dia li em algum lugar (já não me lembro quem disse ou escreveu): “uma batida de asas de uma borboleta na América pode ser o princípio de um vendaval na Ásia”.
A vida ainda traz muitos mistérios que o homem nem ousa chegar perto, mesmo os cientistas mais aclamados ou santos e sacerdotes mais próximos do que chamam Deus. A vida está em constante movimento, produzindo beleza e caos, com a contribuição ativa do ser humano, tanto para um – cada vez menos – como para o outro – cada vez mais. Uma ótima ilustração é o pensamento do escultor Auguste Rodin: “Tudo é movimento, até um corpo morto, em seu processo de decomposição, produz movimento”.
Mas se a vida é eterna, infinita, o que dizer da morte? Outro dia li uma frase de Walt Withman, o poeta americano que revolucionou a língua inglesa, especialmente em seu país. Do meu modo de entendê-las, Withman retrata muito bem o que significam: “A vida é o pouco que nos sobra da morte”.
E respaldado pelas palavras de dois gigantes da poesia e um das artes plásticas, além de um físico fora do comum, posso terminar este texto que muito me honrou ter escrito para a Coluna do LAM dizendo duas coisas que acredito muito no meu ofício de escritor e poeta. Uma é que o verdadeiro artista não expressa apenas aquilo que o público quer, mas aquilo que é necessário. Fazer só o que o público deseja é ser o bobo da corte. E para fechar: poesia sem filosofia é mero jogo de palavras.

* Este texto foi originalmente publicado no antigo site do jornalita Luiz Antonio Mello, Coluna do LAM. Atualmente, Coluna do LAM é um blog. Ilustrações (por ordem, de cima para baixo): Ezra Pound; capa do livro Ponto de Mutação, de Fritjof Capra; Fritjof Capra; retrato de Auguste Rodin feito por seu xará Renoir, e Walt Whitman.
Veja também:
As Velhas Senhoras do Campo de Sant'Anna