terça-feira, 20 de março de 2012

OS SOPROS MÁGICOS DE CARLOS MALTA

A música - e a arte em geral - tem um poder inimaginável. Tanto sobre quem a cria e executa, quanto sobre quem a ouve. Nunca consegui aprender a tocar qualquer instrumento, embora tenha tentado o violão, canto com dificuldades (e insisto), não sou crítico musical, mas sei muito bem ouvir, apesar de ter somente uns 30% de audição no ouvido esquerdo. E posso dizer sem medo de errar que o último 16 de março ficará marcado na minha vida como o dia em que assisti à melhor apresentação de um instrumentista ao vivo. Muito bem acompanhado por André Siqueira, na guitarra; Augusto Mattoso, no contrabaixo acústico, e Kesso Fernandes, na bateria, Carlos Malta fez de seus saxofones, flautas, flautim e até apito a extensão de sua alma para deixar extasiada uma platéia de mais de 200 pessoas que abarrotaram a sala Paulo Moura, que fica no Centro de Referência da Música Carioca Artur da Távola, na Tijuca, zona Norte do Rio de Janeiro.

Ficou claro também, durante todo o show e principalmente no fim, que Malta e os outros excelentes músicos perceberam que haviam sido responsáveis por uma noite de gala. Foi uma viva emoção que ia do palco para o público e do público para o palco. Ele próprio me confirmou isso num rápido bate-papo pelo facebook no dia seguinte. Malta credita à Elis Regina, a homenageada da noite, grande parte dessa magia. Sim, o repertório é de primeiríssima qualidade, com as músicas de Tom Jobim, Milton Nascimento, João Bosco e Aldir Blanc, Gilberto Gil, Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri, entre outros, que se eternizaram na voz de Elis. No entanto, a releitura dessas músicas nos sopros mágicos de Malta as transformaram em novas, renovadas.

Entre tantos destaques daquela noite gostaria de citar um em especial, não só por ser uma das músicas que mais gosto - e já publicada aqui no blog com interpretação de Milton e Nana -, Cais (Milton Nascimento/Ronaldo Bastos), mas pela sensibilidade inteligente do arranjo. Ela inicia com Augusto Mattoso usando o arco e deslizando o dedo anelar da mão esquerda sobre a mesma corda do seu contrabaixo acústico para nos remeter ao som das gaivotas (veja no vídeo abaixo, ele há 12 anos, quando fazia parte do grupo Tríade). Um instrumento enorme, grave, voando por notas tão altas como se fosse uma ave. Um momento sublime que só foi ganhando força e emoção conforme ia sendo executada. A praia, o vento, o saveiro, as gaivotas, tudo está lá naqueles sons. Como faz com outras músicas, Carlos Malta pega o tema, o descontrói e reconstrói como bem entende. Não é uma simples reprodução da melodia original, mas uma releitura, uma recriação genial. E parece que as notas  se desmancham à sua frente, para logo em seguida se rearrumarem e seguirem seu rumo.

Esta memorável apresentação, baseado no premiado CD "Pimenta", de 1999, e que farei de tudo para rever no dia 31 no Largo do Machado, conseguiu superar a do Trio Madeira Brasil e Armandinho, em 2000, no Teatro Municipal de Niterói, que até então era o que de melhor eu havia visto e ouvido. Curiosamente, no dia anterior ao show de Carlos Malta havia achado o ingresso daquele maravilhoso espetáculo. E para expressar a minha enorme admiração por aqueles que há doze anos também me proporcionaram uma noite inesquecível, reproduzo abaixo o texto que escrevi para o jornal O Fluminense naquela ocasião.

Momento de gênio

Se tive na vida um instante de genialidade, um mínimo momento que seja, este foi quando decidi comprar um ingresso para assistir ao espetáculo do Trio Madeira Brasil anteontem no Teatro Municipal de Niterói. O curioso é que depois do espetáculo fui abordado por um rapaz de vinte e poucos anos para me falar de Deus. Como, se sem a necessidade de palavras tinha estado no céu sem sair da cadeira há poucos minutos? O Trio formado por Ronaldo do Bandolim, José Paulo Becker (violão de sete cordas) e Marcello Gonçalves (violão) é, como diz a rapaziada, show de bola. E espetáculo dado com as notas passando de pé em pé, ou melhor, de mão em mão. Assim como já fizeram Gérson, Tostão, Clodoaldo, Rivelino, Jairzinho, Carlos Alberto nos palcos gramados – ou para puxar a sardinha para o meu time, Leandro, Júnior, Adílio, Andrade, Tita, Lico.
Ali se jogou para o time e para a platéia, arte. O jogo não foi contra ninguém, todos ganharam. Essa equipe fantástica fez desfilar músicas (jogadas) de virtuoses de outros tempos como Jacob do Bandolim, Ernesto Nazareth, Pixinguinha, Lamartine, Manuel de Falla, Astor Piazzolla. Como os craques citados nos fizeram lembrar tantas vezes de que existiram antes deles Nilton Santos, Didi, Domingos da Guia, Zizinho e tantos outros brasileiros e estrangeiros da mesma categoria. Mas não se esqueceram dos que ainda estão em ação como Egberto Gismonti, Chico Buarque, Edu Lobo. Para completar, depois de apresentarem quase todas as músicas de seu primeiro CD (destaques para “Santa Morena”, de Jacob; “Danza de la vida breve”, de Manuel de Falla; e “Loro”, de Egberto Gismonti) e algumas do que estar por vir, chamaram mais uma fera chamada Beto Cazes para o molho percursivo.
No entanto, o que até então era arrepio de emoção, misturou-se a risos, encantamento e até escondidas lágrimas. Foi quando entrou o Zico, o Pelé, ou mais adequadamente, o Garrincha Armandinho. Faltava o gênio e ele chegou para fazer o imprevisível e arrebatar de vez a platéia do Teatro Municipal. Com seu bandolim elétrico ou o cavaquinho, Armandinho dialogava com a percussão fazendo sons de cuíca, surdo, tamborins, tantãs e outros instrumentos que nunca foram inventados. Passeou pelas “Noites Cariocas” com Jacob do Bandolim, fez baixar a “Ave Maria” no terreiro, varreu o salão com as “Vassourinhas” e "Apanhei-te Cavaquinho” para recordar Ernesto Nazareth. Tudo com uma alegria contagiante de criança. Ou seja, como todo gênio,  distribuía o jogo, assumia a responsabilidade da partida, antevia as jogadas e decidia com maestria. Pode-se dizer que o gênio tem parte com Deus, e o Diabo, mas não faz pacto de vida ou morte, pois é eterno.
É impressionante como tantas lições foram aprendidas sem a necessidade de qualquer palavra, apenas com os sons mágicos da música fantástica de todos esses maravilhosos artistas. E música brasileira. Sim, nunca uma noite foi tão brasileira ao som de chorinhos, sambas e frevos, mas também de ragtime, polca, bolero, tango, música sacra. A grande lição da noite foi a que tantas vezes aprendemos e, infelizmente, andamos nos esquecendo de praticar: somos miscigenados e, principalmente, miscigenadores. Não há a mínima necessidade de importarmos ritmos para apenas reproduzi-los e chamarmos de música brasileira apenas porque se fala português (quando isso!). Na noite de terça passada, a universal língua musical nos transformou a todos que compareceram ao Teatro Municipal de Niterói. Eu, pelo menos, saí de lá uma pessoa muito melhor do que quando entrei.


Fotos: Carlos Malta (divulgação) e Armandinho (Ivan Eric).
Vídeos: "Upa, Neguinho" (Edu Lobo/Gianfrancesco Guarnieri) e "Cais" (Milton Nascimento/Ronaldo Bastos), interpretações de Carlos Malta, com Ricky Sebastian (bateria), Larry Sieberth (piano) e o Grupo Tríade: Dalmo Mota (violões e berimbau), Augusto Mattoso (baixo acústico) e Luis Sobral (bateria), e "Loro" (Egberto Gismonti), com o Trio Madeira Brasil.
Veja também:
Samba Líquido
A questão do fânqui e o velho Angenor
Antúlio Madureira, o mestre de obras-primas