segunda-feira, 19 de novembro de 2012

UM ENCONTRO COM MARTINHO DA VILA

O Centro Cultural Carioca abriu suas octogenárias portas na segunda-feira passada, dia 12, exclusivamente para Martinho da Vila conceder uma entrevista a uma emissora de televisão para falar de uma das grandes mulheres da sua vida - provavelmente a maior delas: a Unidos de Vila Isabel. Tive a sorte de estar presente juntamente com os amigos Paulo Almeida e Alexandre Aquino, que sugeriram que nossa reunião marcada a princípio para o Grajaú, bairro onde Martinho morou por muitos anos, fosse transferida para o casarão da Rua do Teatro.


Encerrada a entrevista com o repórter Fabio Judice, o sambista e sua assessora, Rejane, se aproximaram do bar, onde Paulinho já se encontrava. Ao sabor de uma boa cerveja papeavam animadamente. Sorrateiramente, eu e Alexandre, que nos encontrávamos no canto oposto, fomos nos aproximando para ao menos ouvir a conversa. Falavam do Grajaú e do tempo em que o cantor e compositor vivera no bairro. Paulinho então perguntou ao cantor e compositor se ele já havia ido ao Samba do Trabalhador, encontro que leva o nome de uma irônica música de Darcy da Mangueira que fez sucesso com Martinho e é comandado por Moacyr Luz todas as segundas-feiras à tarde no Clube Renascença, no Andaraí.

“Fui uma vez, mas tenho evitado ir a esses lugares. Quero ir pra ouvir a música, mas toda hora chega alguém pra falar comigo e não consigo ver, nem ouvir nada. Antigamente, eu ia e quem se aproximava eu falava “sai pra lá”, “não enche o saco”, “me deixa” (contou rindo e espanando o ar como se fossem incômodos fãs). Eu fiquei conhecido logo, aí já viu. Mas hoje eu entendo o outro lado e dou atenção. O cara vai lá, me vê e é a chance que ele tem de falar comigo, de tirar uma foto, eu atendo. Mas aí não ouço, nem vejo quase nada”, contou.

A conversa animava e ótimo proseador que o poeta Martinho é prosseguiu: “O problema maior é quando chega o cara que é compositor e vê a chance de me apresentar um samba dele. Ali, na hora. Eu sou compositor, então, é complicado pegar música dos outros. Mas o cara não quer nem saber, chega e diz: “Martinho, fiz um samba que é a sua cara”. Pô, com a minha cara eu já tenho. Mas os caras não desistem”. Para dar mais vida ao que estava relatando, o sempre sorridente Martinho deu a volta por trás da pilastra entre mim e ele,  postou-se às minhas costas e começou a batucar no meu ombro direito e a cantar um samba ininteligível no meu ouvido, como se ele fosse um fã compositor daqueles que o abordam insistentemente e eu fosse ele. “Eu não ouvia o samba do cara e nem conseguia prestar atenção no que o pessoal estava cantando”.

Então eu disse que se por um lado ele entendia o outro lado, o outro lado não entendia o dele. “É, mas teve um tempo que eu adotei uma tática. Chegava no lugar fingindo que já estava doidão (e reproduziu cambaleante e com a voz pastosa como fazia), aí os caras desistiam de ficar perto. O problema é que depois de um tempo eu já não sabia se estava fingindo ou estava doidão de verdade. Aí, eu pensava: “Ih, tá na hora de ir pra casa”, contou, sempre entre risos de todos. Sim, chegara a hora de ir pra casa, com mais uma história pra contar.

Foto: Fabio Judice e Martinho da Vila no Centro Cultural Carioca (Alexandre Aquino)
Música: "Samba do Trabalhador" (Darcy da Mangueira), com Martinho da Vila.
Veja também:
Entrevista: Nilze Carvalho
Chorinho
Samba matéria