sexta-feira, 14 de outubro de 2016

NO BANCO DA PRAÇA

Foto: Fábio Rogério (Jornal Cruzeiro, de Sorocaba-SP)
Andava sem rumo, pensativo, remoendo problemas e removendo alegrias do fundo do baú da memória, quando me vi dentro de uma ampla praça no centro de uma cidade que já não me reconhecia mais. Nem eu a ela. Reparei num lugar vago ao lado de um senhor e lá me sentei, sem a menor vontade de trocar sequer uma vírgula de idéia. Não com ele, especificamente, com ninguém. Mas ele falava, parecia um mantra, tive de me curvar discretamente para ouvir e ele não perceber. O senhor repetia baixinho: "Coitado do povo, coitado do povo, coitado do povo...". Quando entendi o que dizia me postei virado para o lado oposto, o direito, para não correr o risco de ter as lamúrias voltadas para mim em busca de algum apoio ou mesmo de uma represália. Longe de mim, pensei. E ele se foi.

Resolvi ocupar o lugar em que o senhor estava. E voltei aos meus pensamentos e voei para um lugar no meu passado longínquo que já pensava - ou melhor, já não mais pensava - estar banido das gavetas das lembranças. E chegou outro senhor de cenho franzido, carrancudo. Sentou-se ao meu lado e começou a falar alto: "Maldito povo, maldito povo, maldito povo...". Virei-me desta vez para a esquerda, que era o lado oposto da vez. Ele parecia cego em seu ódio, nem reparou em mim, ainda bem. Não queria ter qualquer diálogo ou embate com aquele ser vociferante. Longe de mim, longe de mim. E ele se foi.

Desloquei-me ao centro do banco da praça. Quando pensei em voltar ao meu mundo imaginário, eis que os dois senhores se aproximam ao longe discutindo asperamente em minha direção. Fiquei paralisado, meio que sem saber o que fazer. O lamuriento se sentou desta vez à minha direita e o raivoso, à esquerda. Só pararam de discutir, quando se sentaram e viram que eu estava entre eles e tinha posto as mãos aos ouvidos. O silêncio deles me despertou. Olhei para os dois, bem dentro de seus olhos e disse meio que para mim, meio que para eles, antes de me levantar e sair dali a passos apressados: "Vocês são o povo! Bem feito pro povo!". E lá fui eu com as palavras "maldito" e "coitado" ressoando na minha cabeça ainda atormentada sem me deixar voltar aos meus problemas e às minhas alegrias.

Veja também:
A Terra de Salgado
Garrincha, 77
Mais uma sobre Educação