segunda-feira, 24 de março de 2008

TARDES DE OUTONO


Nessas tardes
sob e sobre a
Baía de Guanabara,
o céu é uma
ferida aberta,
que sangra, sangra...

Ontem, um hematoma esverdeado
revelava o ferimento celeste,
e a beleza exposta
em nuvens fraturadas
escorria em reflexos
nas águas da Guanabara.

Hoje, o céu sangra novamente
no crepúsculo outonal,
sangue fluorescente
retido por negras nuvens
neste estranho céu,
ferido por intenso vento,
expondo o sangue pisado
deixado pelo sol
em seu último vestígio
deste dia, desta estação.

* Imagem de quadro que dizem ser de Salvador Dalí (preciso confirmar isso)

Esta poesia faz parte do livro "Profano Coração", que está à venda em todas as versões digitais, aqui: http://bit.ly/1L3rcqW.

Veja também:
Tecelã Natureza
Nada Mais
Oferenda (ou Canção de um Ser Dilacerado)

Chorinho
Despedidas
Há 40 Anos, o Fim da Voz Rascante de Janis