quarta-feira, 23 de março de 2011

A MIDIOTIZAÇÃO

Vinha eu dia desses caminhando pelas fétidas, esburacadas e lotadas ruas do centro do Rio de Janeiro (o lado modernoso que tombou o antigo) e não conseguia – na verdade, nem tentava - tirar da cabeça um pensamento profético de Nietzsche: "Mais um século de jornais e as palavras se corromperão". Muitas coisas se passaram na minha cabeça em torno disso, não propriamente sobre os jornais, mas sobre as palavras. As palavras não como símbolos da Comunicação, mas como expressão de algum sentimento, de alguma ação, comportamento, expressão, manifestação.
Assim, como de relâmpago, voltei ao pensamento nietzschiano e me lembrei que ele não contava (e nem poderia!) com a participação decisiva da televisão, muito menos da internet. O que os jornais levaram cem anos para fazer (talvez até menos), a TV realizou com absurda competência em poucas décadas. E a internet parece realizar em poucos segundos, embora por outro lado ela seja uma brecha interessante para quem não deseja se entregar a qualquer lixo e se manifestar - e espero que este blog seja um bom exemplo.
A era da rapidez da informação on line também expande as imbecilidades com muita pressa. E vejo diariamente em tempo real a mídia eletrônica vilipendiar a escrita automática, expressão criada por Maurice Blanchot. Automática sim, mas livre e espontânea, jamais.
Juntando tudo e voltando às palavras da forma como as citei, fui observando as pessoas nas ruas (o que já vinha fazendo desde o momento em que iniciei minha caminhada sob sol escaldante). E descobri que a TV fez muito mais que os jornais: ela corrompeu pessoas.
Percebi com bastante clareza que não há quase diferença entre gestos, modo de falar, andar, vestir (provavelmente também despir), o comportamento, enfim, das gentes nas ruas. Não há diferença sequer entre as putas da Praça Tiradentes e as dos escritórios e das faculdades. Nem entre os contínuos e os engravatados, ambos suando em bicas. Talvez a única diferença residisse nos mendigos, mas eles não valem, pois não assistem à TV com regularidade e nem chegam perto da internet. E olhei pra mim, que andava na contra-mão do fluxo, para ver se também eu não havia me corrompido, igualado, pasteurizado...
Diante de tudo isso, fiquei me indagando e até agora não encontrei resposta definitiva (e existe resposta definitiva para algo?): será que ainda há nesses turbulentos tempos em que vivemos espaço para manifestações espontâneas? Artísticas, principalmente, será? Sem a massificação de atitudes, conseqüência do máximo e praticamente único interesse comercial, é bem difícil identificar. É complicado até identificar quem pelo menos tenta, com honestidade, se livrar dessas amarras que a sociedade globalizada criou. De minha parte, continuarei a lutar ferozmente contra as mediocridades, inclusive - e principalmente - as minhas. Acabo de desligar mais uma televisão que esqueceram tagarelando sozinha...

Vídeo: "Televisão", de Marcelo Fromes, Tony Belotto e Arnaldo Antunes, com Titãs (participação especial de Fito Paez).
Veja também:
O Ilimitado Abuso do Homem
Brasil, Um Edifício Que Cresce Sobre Frágeis Alicerces
O Apocalipse Sintetizado
Mais Uma Sobre Educação