quinta-feira, 21 de maio de 2015

A TERRA DE SALGADO

"Não sabendo que era impossível, foi lá e fez" (Jean Cocteau ou Mark Twain)

Nunca programei com tanta antecedência assistir a um filme como O Sal da Terra. Desde que li em setembro do ano passado uma matéria de capa na Ilustrada (caderno de cultura da Folha de S.Paulo) acerca do documentário sobre Sebastião Salgado, dirigido pelo seu filho, Juliano, e Win Wenders, tive tanta vontade de vê-lo que me antecipei e comecei a buscar vídeos no youtube de entrevistas e especiais sobre o estupendo fotógrafo e humanista brasileiro. Desde então, Sebastião Salgado passou a ser mais uma grande referência para mim. Não que desconhecesse o trabalho dele, mas passei a conhecê-lo com mais profundidade: o artista, sua obra e, principalmente, sua visão de mundo e o seu legado para o Brasil e a Humanidade.

Pois bem, só consegui ir ao cinema ontem, dia 20 de maio de 2015, acompanhado de minha mulher, já com algumas semanas de exibição nas telas do Rio (a esmagadora maioria localizada na Zona Sul da cidade). Este tempo em cartaz é na verdade outro grande feito, pois é raríssimo um documentário sobre um ilustríssimo brasileiro que, infelizmente pouquíssimos conterrâneos sabem de quem se trata, não ser retirado poucos dias depois de sua estréia. E o melhor é que a pequeníssima sala 2 do Estação Botafogo estava lotada.

O que me mostrou o filme já não me era totalmente ignorado, justamente pelo imenso interesse que tive por ele desde que soube de seu lançamento na Europa. Porém, ainda assim me surpreendeu, ensinou, me comoveu, me modificou para melhor. Apesar de algumas fotos fortíssimas, de gente com fome, assassinada por inanição, bala ou facão, cenas de refugiados de guerra, nada é repetitivo ou cansativo. A vida e a obra deste brasileiro – sempre acompanhado e auxiliado por sua espetacular mulher, Lélia -, expulso de seu país por se opor à nefasta ditadura militar que nos abateu a partir de 1964, é sempre tão surpreendente quanto as suas fotos.
É necessário que se veja e reveja por muitas e muitas vezes este filme e a obra de Sebastião Salgado. Além de um fotógrafo de extrema sensibilidade, coragem, talento e precisão, ele é um humanista e ambientalista – assim como Lélia Werneck Salgado, é sempre bom que se frise - que deixará para os mais jovens e as futuras e futuras gerações o Instituto Terra (www.institutoterra.org). Este projeto replantou em Aimorés, cidade mineira do Vale do Rio Doce, no então ressecado solo da fazenda onde Salgado foi criado por seus pais, juntamente com as seis irmãs, 2,5 milhões de árvores desde 2001, transformando o que era pasto novamente em floresta (como na sua infância), recuperando assim uma parte da Mata Atlântica que tinha sido arrasada pela estupidez humana.

E a estupidez humana foi o que mais este xará do meu falecido pai presenciou e documentou desde que, no início da década de 1970, resolveu abandonar a promissora e segura carreira de economista para se lançar na incerta e autônoma profissão de fotógrafo, ainda mais incerta pelos perigos que teve de enfrentar para mostrar ao mundo o que se passava onde  ninguém gostaria de estar. E de tanto retratar os malefícios humanos nos quatro cantos do mundo, mergulhou no mais profundo poço do ser, afundou nos mares turvos da depressão, desiludido por completo da capacidade de nossa raça merecer viver, de estar na Terra. No entanto, foi este momento de crise, agravado pela morte de seu pai, que o fez retornar às suas origens, à Natureza. E, por encampar uma ideia aparentemente estapafúrdia de Lélia, construiu a sua maior obra. Ainda mais gigantesca que a sua imensa e importantíssima coleção de fotografias, penso eu. 

Isso se refletiu inclusive na escolha do seu mais recente projeto: Genesis. Revela Salgado que originalmente o planejamento era fotografar mais uma vez a horrenda influência humana na Terra, desta vez na poluição do planeta. Porém, a escolha recaiu sobre a esperança, e ele foi buscar as origens da Terra, onde ela ainda preserva características dos seus primórdios. E produziu mais um belíssimo trabalho, certamente o menos sofrido.

Sebastião Salgado, como tantos outros brasileiros de primeira grandeza, são infelizmente escondidos pela nossa mídia, com raríssimas exceções, claro – elas sempre confirmam as regras. Gente como ele, que retratou o sofrimento e a beleza dos povos do mundo inteiro e reconstruiu com a contribuição valiosíssima de sua mulher uma parte da Mata Atlântica, têm pouquíssimo espaço para a divulgação de tão grandioso trabalho. Ao contrário de pseudo-heróis criados pelo pobre jornalismo nosso de cada dia, eles, os verdadeiros gênios da raça, estão no quase anonimato.

Este filme, O Sal da Terra, deveria ser exibido em rede nacional no horário nobre por todas as emissoras de televisão, incluindo as pagas, de preferência no lugar do tragicômico horário eleitoral gratuito. Quem sabe assim, nosso rude, bruto, cruel e ao mesmo tempo fútil, infantil e carente país se sensibilizasse, do mais humilde ao mais pseudo-poderoso cidadão. E então, conscientes de seus irrisórios propósitos rotineiros, os abandonassem e se levantassem para fazer disso aqui um lugar mais justo e verdadeiramente saudável e feliz.
Lélia e Sebastião na Fazenda Bulcão, em Aimorés (MG)
"... Vamos precisar de todo mundo / Um mais um é sempre mais que dois / Prá melhor juntar as nossas forças / É só repartir melhor o pão / Recriar o paraíso agora / Para merecer quem vem depois..." (O Sal da Terra, Beto Guedes/Ronaldo Bastos)



Fotos: a primeira, terceira, quarta e quinta fotos são de Sebastião Salgado.
Veja também: